ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL: ALTERAÇÕES OCULARES E MOTORAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v3i3.1296

Palavras-chave:

NEURONOPATIA BULBOESPINHAL, exame, saúde

Resumo

A atrofia muscular espinhal é uma doença autossômica e neurodegenerativa, é classificada conforme sua apresentação, idade de identificação e nível de gravidade. O portador de AME apresenta diversos distúrbios que podem ser observados desde a falta de preâmbulo, disfunções respiratórias em vários níveis, paralisias e limitações. É fundamental o trabalho multidisciplinar para o atendimento do portador dessa atrofia, buscando a qualidade de vida e prevenção fatores secundários provocados pela AME. Propõe-se pelo presente artigo apresentar a AME, sua fisiopatogênia, tratamentos e cuidados, e suas consequências oculares, através de pesquisas bibliográficas e revisão de publicados nas plataformas Scielo, Pubmed e Bireme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Coelho Grellet

 Graduada em Biologia  (UNIMES); Licenciatura em Ciências  (USP); Graduanda  Licenciatura de Educação Especial (UFSCAR). Especializaçãoem Gestão Escolar pela (Faculdade Brasil). Docente OWP Educação, WEducar.

Rodrigo Trentin Sonoda

Professor Coordenador WEducar - OWP Educação. Docente SER Educação/AL e  Pós Graduação FAELO/PE

Graduado em Tecnologia em Óptica e Optometria - Universidade Braz Cubas(UBC). Especialista em Docência no ensino superior(UNIBF). Estudos de Oftalmologia (UNIBF). Pericia Judicial (IPEMIG)  Terapia Oftalmica (FACUMINAS).

 

Erica Matilde dos Santos

Graduada em optica e Optometria (UBC, especilista em optometria avnçada (UBC, especilista em Ortóptica e saúde (Celso Lisboa). Docente WEducar, OWP Educação e UBC.

Referências

BYERS, RK & Banker BQ – Infantile Muscular Atrophy, Arch Neurol 5:140, 1961.

BAIONi, Mariana T. C..AMBIEL, Celia R.Atrofia muscular espinhal: diagnóstico, tratamento e perspectivas futuras. Jornal de Pediatria [online]. 2010, v. 86, n. 4 [Acessado 16 Março 2022] , pp. 261-270. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0021-75572010000400004.

BEAR, mark. CONNORS, Barry. PARADISO, Michael. Neurociências: Desvendando o Sistema nervosa. 3a. Porto Algere: Artmed, 2008

BROOKE MH. Griggs MD, Mendell JR. et al. Clinical trial in Duchenne dystrophy. L The design of the protocol. Muscie Nerve 1981, 4:186-197.

CHRUN, L. R.; ROSSATO CHRUN COSTA, L.; DA SILVA MIRANDA, G.; MONTEIRO ALMEIDA, F. Atrofia muscular espinhal tipo I: aspectos clínicos e fisiopatológicos. Revista de Medicina, [S. l.], v. 96, n. 4, p. 281-286, 2017. DOI: 10.11606/issn.1679-9836.v96i4p281-286. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/116499. Acesso em: 15 mar. 2022.

COLLANGE, Luanda André et al. Influência da adequação postural em cadeira de rodas na função respiratória de pacientes com amiotrofia espinhal tipo II. Fisioterapia e Pesquisa [online]. 2009, v. 16, n. 3 [Acessado 16 Março 2022] , pp. 229-232. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1809-29502009000300007>. Epub 13 Abr 2012. ISSN 2316-9117. https://doi.org/10.1590/S1809-29502009000300007.

DORETTO, Dário –: Fisiopatologia Clínica do Sistema Nervoso Fundamentos da Semiologia, 2a. Edição, ed. Atheneu, 2001.

DOWNIE, Patrícia A. – Cash: Neurologia para Fisioterapeutas. 4a. Buenos Aires: l Médica Panamérica, 1984.

MAGALHÃES, Paulo André Freire et al. Dispositivos ventilatórios não invasivos em criança portadora de amiotrofia espinhal do tipo 1: relato de caso. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil [online]. 2015, v. 15, n. 4 [Acessado 16 Março 2022] , pp. 435-440. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1519-38292015000400007>. ISSN 1806-9304.

RIDEAU Y. Treatment of orthopaedic de formity during the ambulatory stage of Duchenne Muscular Distrophy. In Serratrice G, Cros D, Desnuelle C, et al., eds. Neuromuscular diseases. New York: Raven Press;1984:557-564.

ROWLAND, Lewis P. – Tratado de Neurologia Merritt, 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Kogan, 2018.

ROWLAND, Lewis P. – Hereditary and Acquired Motor Neoron Diseses, In: REWOLAND LP Merritt´s textbook of neurology. Williams & Williams Baltimore, pp.742, 1995.

SILVA, Mayara. PRZYSIEZNYm André. CAPELLANI, Origenes. Síndrome de Werdnig-Hoffman (amiotrofia espinal do tipo 1): relato de caso. Arquivos Catarinenses de MEdicina. 2013 jan-mar, 42(1) 96-99. Disponível em:<http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/1220.pdf>. Acesso em: 15/03/2022.

SANVITO, Wilson Luiz – Propedêutica Neurológica Básica, 2 Ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1996.

Downloads

Publicado

24/03/2022

Como Citar

Coelho Grellet, A. C., Sonoda, R. T., & Matilde dos Santos, E. . (2022). ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL: ALTERAÇÕES OCULARES E MOTORAS. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 3(3), e331296. https://doi.org/10.47820/recima21.v3i3.1296

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)