AVALIAÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS NO SETOR DE ANATOMIA PATOLÓGICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v3i5.1438

Palavras-chave:

Biossegurança, Epidemiologia, Exposição a agentes biológicos, Saúde do trabalhador, Profissionais de saúde

Resumo

OBJETIVOS: Avaliação e diagnóstico de risco do laboratório de anatomia patológica de um Hospital Universitário. MÉTODO: Foi realizado um estudo epidemiológico descritivo, de corte transversal, utilizando dados secundários disponibilizados pelo setor de Serviço Ocupacional de Segurança do Trabalho (SOST) referentes ao período de agosto a outubro de 2019. RESULTADOS: Foram analisados 12 questionários semiestruturados cedidos pelo SOST/HC - UFPE, onde 83,33% referiram haver fluxograma de material biológico no setor, e 16,64% não. Em relação ao fluxograma de material químico, 41,66% afirmaram que havia e 58,33% não. Ao ser analisado o tempo de vínculo na instituição, obteve-se que: 3 trabalham entre 1 e 5 anos; 6 trabalham há mais de 5 anos e 3 trabalham há mais de 10 anos. CONCLUSÃO: Para a redução de acidentes e prevenção de riscos é necessária a criação de um plano de prevenção, educação continuada e capacitações, além de os profissionais aderirem a uma boa prática de trabalho, possibilitando assim a sistematização de todas as práticas e evitando futuros agravos à sua saúde.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Thaís Galino Gomes, Universidade Federal de Pernambuco

Enfermeira pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE/CAV.

Maria da Conceição Cavalcante de Lira

Enfermeira pela Fundação do Ensino Superior de Olinda. Mestre em Tecnologia Ambiental pelo Instituto de Tecnologia de Pernambuco - ITEP. Doutora do Programa de Pós Graduação de Ciências Farmacêuticas (PPGCF) da UFPe. Docente do Centro Acadêmico de Vitória - CAV/UFPE.

Viviane de Araújo Gouveia, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharel e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Mestre em Ciências da Saúde - UFPE. Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Inovação Terapêutica pela UFPE, com área de Concentração em Cardiologia Intervencionista e Hemodinâmica.

Diogo Siqueira Leite, Hospital Getúlio Vargas - SES-PE

Médico. Especialista em Medicina da família e comunidade. Hospital Getúlio Vargas - SES-PE.

Déborah Santos da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Acadêmica de Enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE.

Referências

- SANTOS, T. F. P. Análise de acidentes em laboratórios químicos e similares. Instituto politécnico de Setúbal, Setúbal, p. 1-78, fev. 2017.

- ARANTES, M. C; HADDAD M. C. F. L; MARCON, S. S; ROSSANEIS, M. A; PISSINATI, P. S. C; OLIVEIRA, S. A. Acidentes de trabalho com material biológico em trabalhadores de serviços de saúde. Cogitare Enfermagem, Curitiba - Paraná, v. 22, n. 1, p. 1-8, 2017.

– KAWATA, R. M. Riscos ocupacionais de laboratório de pesquisa. 2018. 74 folhas. Monografia (Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Londrina, 2018.

-SILVA, J. P. Uso dos Equipamentos de Proteção Individual e Biossegurança: conhecimento dos auxiliares e técnicos de enfermagem. 2017. 64 f. TCC (Bacharelado em Enfermagem) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

– BRASIL. NR 32 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Portaria MTE n.º 485 de 11 de Novembro de 2005. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1-40, 16 de nov. 2005.

– BRASIL. NR 09 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTb n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p.1-13, 06 jul. 1978.

- CLEMENTE, D. C. S; OLIVEIRA, A. A; LEITE, J. J. G. Elaboração e Implantação dos Mapas de Riscos Ambientais dos Laboratórios dos Cursos de Saúde da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza – FAMETRO. Revista Diálogos Acadêmicos, Fortaleza, v. 6, n. 1, p. 29-38, jan./jun. 2017.

- LIMA, R. J. V; TOURINHO, B. C. M. S; COSTA, D. S; ALMEIDA, D. M. P. F; TAPETY, F. I; ALMEIDA, C. A. P. L; et al. Agentes Biológicos e Equipamento de Proteção Individual e Coletiva: conhecimento e utilização entre profissionais. RevPreInfec e Saúde, Ribeirão Preto – São Paulo. v. 3, n. 1, p.23-28, 2017.

- MAAS, L; GRILLO, L. P; SANDRI, J. V. A. A saúde e a Segurança do Trabalhador sob Competência de Normas Regulamentadoras Frágeis. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais, Vale do Itajaí – Santa Catarina, v. 5, n. 1, p. 22-32, 2018.

- RIBAS, A. S; MICHALOSKI, A. O. Saúde e Segurança na Suinocultura no Brasil: um levantamento dos riscos ocupacionais. Revista ESPACIOS, Cidade do México. v. 38, n. 11, p. 13, 2017.

- FRANCISCO, G. G. A. M; CAMPELLO, A. R. S; BOURGUIGNON, S. C. A Importância da Capacitação em Biossegurança Para Profissionais Surdos: Avaliação e Propostas. Revista Espaço, Rio de Janeiro. Nº 52, jul.-dez. 2019.

- SILVA, R. A; SILVA, B. R; BRAGANÇA, C; CRUZ, A. U; SILVA, J. B. S; PAULA, C. R; PELAZZA, B. B; MENDONÇA, G. S. Acidente de trabalho com material biológico na enfermagem. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 7780-7796 jul./ago. 2020.

– BRASIL. NR 06 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria MTb n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p.1-8, 06 jul. 1978.

- RIGO, A. H. B; FONTANA, R. T. Educação para a Biossegurança em Laboratórios de Análises Clínicas. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 179-193, Jan/abr, 2018.

- PIRES, A. F; PAIS, A; FARIA. T; SILVA, S; PINHAL, H; NOGUEIRA, A. Exposição Profissional a formaldeído em Laboratórios de Anatomia Patológica. Boletim Epidemiológico, Lisboa, Portugal, n. 25, p. 48-51, 2019.

Downloads

Publicado

12/05/2022

Como Citar

Gomes, M. T. G., Lira, M. da C. C. de, Gouveia, V. de A., Leite, D. S., & Santos da Silva, D. (2022). AVALIAÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS NO SETOR DE ANATOMIA PATOLÓGICA. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 3(5), e351438. https://doi.org/10.47820/recima21.v3i5.1438

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)