AROMATERAPIA COMO MÉTODO NÃO INVASIVO PARA ALÍVIO DA DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO: UMA REVISÃO DE ESCOPO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v3i6.1547

Palavras-chave:

gestantes, Aromaterapia, Parto

Resumo

Objetivo: Identificar as evidências científicas sobre a utilização da aromaterapia para o alívio da dor durante o trabalho de parto. Metodologia: Trata-se de uma revisão de escopo ou scoping review,  oito estudos analisados, buscas em plataformas online de pesquisa Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) nas bases de dados LILACS, BDENF, MEDLINE e PUBMED, com intervalo de ano de publicação entre 2017 e 2022, considerados estudos qualitativos e quantitativos, com questão norteadora: “Quais os principais óleos essenciais utilizados para alívio da dor durante o trabalho de parto?”. Resultados: Diversos óleos essenciais foram citados, bem como suas diversas formas de aplicação, entre os prevalecentes: lavanda, rosa, rosa damascena, jasmim e cítricos. Sobressai a eficácia comprovada da aromaterapia através de óleos essenciais, pois sua utilização traz maior satisfação para as mulheres em processo de parto, proporcionando o alívio da dor durante esse momento, a diminuição da ansiedade e de fatores estressantes, aumentando o relaxamento e o bem-estar. Conclusão: A aromaterapia é um método não-farmacológico, de baixo custo e não invasivo. Os óleos essenciais têm potencial complementar e alternativo no alívio da dor e ansiedade durante o trabalho de parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessianne Lais de Sousa Silva

Acadêmica do curso Bacharel em Enfermagem no Centro Universitário Santo Agostinho

 

Thatyani de Araújo Miura

Acadêmica do curso Bacharel em Enfermagem no Centro Universitário Santo Agostinho

Nancy Nay Leite de Araújo Loiola Batista

Enfermeira pela Universidade Federal do Piauí – Mestre em Enfermagem (UFPI)  Especialista em  Estratégia Saúde da Família (UFPI)  Docente do curso de enfermagem do Centro Universitário Santo Agostinho – UNIFSA

Marah Christini Rodrigues de Sousa

Acadêmica do curso Bacharel em Enfermagem no Centro Universitário Santo Agostinho

 

Laide dos Santos Brasil Silva

Acadêmica do curso Bacharel em Enfermagem no Centro Universitário Santo Agostinho

 

Jullyan Sttefanny Martins Castelo Branco

Acadêmica do curso Bacharel em Enfermagem no Centro Universitário Santo Agostinho

 

Referências

ARAÚJO, A. S,C.; et al. Métodos não farmacológicos no parto domiciliar. RevEnferm UFPE Online. 2018; 12(4):1091-6.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal: Versão resumida. Brasília. 2017; 17-21.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

COREN. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parto natural. São Paulo: Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo; 2010.

FERRAZ, L; PEREIRA, R. P.G.; PEREIRA, A. M. R.C. Tradução do conhecimento e os desafios contemporâneos na área da saúde: uma revisão de escopo. SAÚDE DEBATE | RIO DE JANEIRO, V. 43, N. ESPECIAL 2, P. 200-216, NOV 2019.

HAMDAMIAN, S.; et al.Effects of aromatherapy with Rosa damascena on nulliparous women's pain and anxietyof labor during first stage of labor. Science Press, Iran, v. 16, n. 2, p. 120-125, mar. 2018.

KAVIANI, M. et al.Comparison of the effect of aromatherapy with jasmin um officinale and salvia officinale on pain severity and labor out come in nulliparous women.Nurs. Midwifery Res. [Internet]. 2014 [cited 2019 jul 11];19(6).

LEHUGEUR, D.; STRAPASSON, M. R.; FRONZA, E. Manejo não farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeiras obstétricas.RevEnferm UFPE Online. 2017; 11(12):4929-37.

LOPES, G. C. O uso da aromaterapia no trabalho de parto e parto. UNISINOS. São Leopoldo, SC, p, 1-16, 2016.

MENEZES, S. S.; et al. Raciocínio clínico no ensino de graduação em enfermagem: revisão de escopo. RevEscEnferm USP • 2015; 49(6):1037-1044.

PpenAVIANI, B. A.; TRINGUEIRO, T. H.; GRESSNER, R. O uso de óleos essenciais no trabalho de parto e parto: revisão de escopo. Revista Mineira de Enfermagem, v. 23 n. 1262, p. 1-9, 2019.

PIMENTEL, M. M.; et al. Non-Invasive Technologies For Pain Relief In Parturition. Revista Online de Pesquisa 2021.

SILVA, M A. Aromaterapia para Alívio da Dor Durante o Trabalho de Parto. Revista de Enfermagem. Recife,PE, v.13, n. 2, p.455-63, fev.2019.

TABATABAEICHEHR, M., MORTAZAVI, H. The Effectiveness of Aromatherapy in the Management of Labor Pain and Anxiety: A Systematic Review. Ethiop J Health Sci.2020 maio;30(3):449-458.

WHO. World Health Organization. Strategic directions for strengthening nursing and midwifery services 2011 2015. Geneva: WHO. 2010. Disponível em:

http://www.wpro.who.int/hrh/documents/nursing_and_midwifery_services_strategic_dire ctions.pdf>. Acesso em 10 de outubro de 2021.

Downloads

Publicado

05/06/2022

Como Citar

Lais de Sousa Silva, J., Araújo Miura, T. de, Leite de Araújo Loiola Batista, N. N. ., Rodrigues de Sousa, M. C. ., dos Santos Brasil Silva, L. ., & Martins Castelo Branco, J. S. (2022). AROMATERAPIA COMO MÉTODO NÃO INVASIVO PARA ALÍVIO DA DOR DURANTE O TRABALHO DE PARTO: UMA REVISÃO DE ESCOPO. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 3(6), e361547. https://doi.org/10.47820/recima21.v3i6.1547

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)