PREVALÊNCIA DA INCONTINÊNCIA URINARIA EM GESTANTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v2i9.764

Palavras-chave:

Fisioterapia, Prevalência, Incontinência Urinária Gestacional, Musculatura do Assoálho Pélvico

Resumo

Segundo a Sociedade Internacional de Continência a incontinência urinária (IU) é a queixa de perda involuntária de urina. A IU afeta não só aspectos biológicos e físicos, mas todo o âmbito psicossocial do indivíduo que dela sofre, prejudicando diretamente sua qualidade de vida e até higiene. Em média 69% das mulheres gestante apresentam IU, que pode acabar se entendendo após o parto, permanecendo um quadro de Incontinência Urinária por Esforço. O objetivo deste estudo foi identificar a ocorrência da IU em gestantes, bem como o conhecimento delas à informações a respeito do assunto, além do acesso ao tratamento e os efeitos do tratamento fisioterapêutico de IU a partir do fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico (MAP), com base em relatos de gestantes que utilizam a assistência primária à saúde, colhidos a partir de um questionário fechado, aplicado a 20 gestantes, possibilitando uma pesquisa de cunho quantitativa, mas de interpretação qualitativa, identificando que cerca de 65% das gestantes apresentam IU e que o acesso a orientação ao tratamento ainda são limitados, onde 85% das entrevistadas afirmaram não terem sido orientadas sobre possibilidades de tratamento para IU. No entanto, as que tiveram acesso ao tratamento fisioterápico obtiveram bons resultados. Tudo isso evidencia que mesmo sendo alto o índice de IU em gestantes, de fato o tratamento fisioterápico pode ser um grande auxiliador neste período e que são necessários trabalhos de conscientização e campanhas informativas para que mais gestantes acessem esse serviço. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mylena Gomes Caldeira

Graduanda em Fisioterapia pela Fundação Educacional de Caratinga e Centro Universitário de Caratinga, Campus Nanuque- MG  

Jaine Santos Alves

Graduanda em Fisioterapia pela Fundação Educacional de Caratinga e Centro Universitário de Caratinga, Campus Nanuque- MG  

karolline Reis Moreira

Graduanda em Fisioterapia pela Fundação Educacional de Caratinga e Centro Universitário de Caratinga, Campus Nanuque- MG  

Patrícia Brandão Amorim

Patrícia Brandão Amorim, doutora em Saúde Pública pela Universidade Americana - Paraguai. Possui mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade e graduação em Fisioterapia pelo Centro Universitário de Caratinga (2001); Especialização em Autogestão em Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz e Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher pela Universidade Gama Filho. Atualmente é coordenadora do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Caratinga, na Unidade de Nanuque/MG e professora titular nos demais cursos da área da saúde. Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em Fisioterapia Dermato-funcional e Uroginecologia

Referências

ABRAMS, P. et al. Recomendações do Comitê Internacional de Ciência:Evolução e Tratamento da Incontinência Urinária, prolapso do órgão pélvico e incontinência fecal.

Sociedade Internacional de Continência. IUD- EAU, 2013.

ALMEIDA, L. L.; CANDIDO, T. de S.; NETTO, A. de O. Conhecimento sobre a incontinência urinária e fisioterapia em gestantes: revisão de literatura. Revista InterSaúde, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 48-60,apr. 2020. ISSN 2674-869X.Disponívelem:<http://revista.fundacaojau.edu.br:8078/journal/index.php/revista_intersaude/article/view/123>. Acesso em: 24 março de 2021.

ALVES, R.M. Atuação da fisioterapia na incontinência urinária em gestantes: Prevenção e tratamento. Universidade de Cuiabá MT, 2018.

Disponível em:<https://repositorio.pgsskroton.com/handle/123456789/20388>. Acesso em 26 de julho de 2021.

AMARO, J.L.et,al.Reabilitação do assoalho pélvico nas disfunções urinárias e anorretais.Segmento Farma.São Paulo 2012 p.75. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/341359774_Reabilitacao_do_assoalho_pelvico_nas_disfuncoes_urinarias_e_anorretais. Acesso em: 10 junho 2021. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília: 2011.

Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 DE junho de 2011. Brasília. 2011.

Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html>. Acesso em: 25 de junho de 2021.

COYNE, B. et al.Urinary Incontinence and its Relationship to Mental Health and Health-Related Quality of Life in Men and Women in Sweden, the United Kingdom, and the United States. RevEurUrol, v.61, n.1, p.88-95, 2012.

DINIZ, C.S.G. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, p. 627-37, 2005.

GIL, R.L. Tipos de pesquisa. 2008. Disponível em: <https://wp.ufpel.edu.br/ecb/files/2009/09/Tipos-de-Pesquisa.pdf>. Acesso em: 04 de abril de2021.

GOMES, N. F. M. Efetividade da fisioterapia em mulheres com incontinência urinária no pós-parto - revisão bibliográfica. Porto, junho 2020. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Fernando Pessoa. Disponível em: <https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/9576/1/PG_34909.pdf>. Acesso em: 22 de março de 2021

GREPI, G.. Ganho de peso na gravidez pode causar incontinência urinária.03 de jan.2017. Jornal da USP. Disponível em:<https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/ganho-de-peso-na-gravidez-pode-causar-incontinencia-urinaria/>. Acesso em: 10 de junho de 2021.

HCOR. Associação Beneficente Síria. Exercícios simples ajudam a controlar a incontinência urinária na gravidez. 2021. Associação Beneficente Síria. Disponível em: <https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/exercicios-simples-ajudam-a-controlar-incontinencia-urinaria-na-gravidez/>. Acesso em: 10 de junho 2021.

JACOB, L.M.S. et al. Prevenção da incontinência urinária no puerpério. Revista Enfermagem Atual In Derme. São José do Rio Preto, v. 1, n. 87, p. 1-10, 2019. Disponível em:.http://conic-semesp.org.br/anais/files/2019/trabalho-1000003177.pdf. Acesso em: 02 de Julho de 2021.

MACHADO, G.. Em roda de conversa na Câmara, fisioterapeuta fala sobre incontinência urinária feminina.03 de mar. 2020. Câmara Municipal de Goiânia. Disponível em:<https://www.goiania.go.leg.br/sala-de-imprensa/noticias/em-roda-de-conversa-na-camara-fisioterapeuta-fala-sobre-incontinencia-urinaria-feminina>. Acesso em: 10 de junho 2021.

QUINTELO, Z. A. et al. A Atuação Fisioterapêutica na Prevenção de Incontinência

Urinária de esforço em Gestantes. 2020. Pós-graduação em Fisioterapia em Uroginecologia, Obstetricia e Mastologia – Faculdade Ávila. Disponivelem:<https://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/35/18_-_A_AtuaYYo_FisioterapYutica_na_PrevenYYo_de_IncontinYncia_UrinYria_de_esforYo_em_Gestantes.pdf>. Acesso em: 17 de Junho 2021.

ROCHA, J. et al. Avaliação da Incontinência Urinária na Gravidez e no Pós-Parto: Estudo

Observacional. Agosto 2017. Researchgate. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/319410912_Avaliacao_da_Incontinencia_Urinaria_ na_Gravidez_e_no_Pos-Parto_Estudo_Observacional>. Acesso em 16 de julho de 2021.

SANTOS, J. M. W. dos. Incontinência urinária feminina: alterações ultrasonográficas da junção uretrovesical, uretra proximal e distância pubouretral causadas pela cirurgia da fita vaginal sem tensão utilizada para tratamento da incontinência urinária de esforço. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, p.48, 2003.

SANTOS, P. C., et al. Prevalência e impacto da incontinência urinária de estresse. Acta MedPort, 19 (349-356), 2006.

PALMA, P. Urofisioterapia: aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. 1ª ed. São Paulo, Personal Link Comunicações, 2009.

SOUZA, A. P. P.Prevalência de incontinência urinária durante a gestação. 2017. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br>. Acesso em: 10 de junho de 2021.

STRUTZ, K. R. et al. Conhecimento das gestantes sobre a fisioterapia pélvica. 2019.

Vol2. Ou/Dez. Disponível em:

<https://online.unisc.br/seer/index.php/ripsunisc/article/download/15126/9322>. Acesso em: 10 de junho de 2021.

VIEIRA, A. S; DIAS, M. L. G. Abordagem da fisioterapia na prevenção de incontinência urinária no período gestacional: revisão sistemática. Orientador: Jaime Rodrigues Junior. 2019. 22f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Fisioterapia) - Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos, 2019.

WESNES, SL., RORTVEIT, SHG. Epidemiologyofurinaryincontinence inpregnancyandpostpartum. Mr. AmmarAlhasso (Ed.), ISBN: 978-953-51-04841,InTech,2012. Disponível em:<https://www.intechopen.com/chapters/34718>. Acesso em: 10 de junho de 2021.

Downloads

Publicado

26/10/2021

Como Citar

Gomes Caldeira, M., Santos Alves, J. ., Reis Moreira, karolline, & Brandão Amorim, P. (2021). PREVALÊNCIA DA INCONTINÊNCIA URINARIA EM GESTANTES. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 2(9), e29764. https://doi.org/10.47820/recima21.v2i9.764

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>