ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS FATORES DE RISCO PARA O TRAUMA MAMILAR CAUSADO NA AMAMENTAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v3i2.1202

Palavras-chave:

Aleitamento materno, Assistência de enfermagem, Trauma mamilar

Resumo

Introdução: O aleitamento materno adequado reduz o índice de infecção até os seis meses de vida, e é considerado que a criança fica livre de doenças, sendo observado que a introdução complementada por outros alimentos é contra indicado já que o aleitamento materno é o método de alimentação de excelência para o bebê, por sua eficiente contribuição para a saúde e por ser considerado o método mais sensível, econômico e eficaz de intervenção para redução da morbimortalidade infantil. Objetivo: Descrever o conhecimento do enfermeiro relacionado aos fatores de risco para o trauma mamilar causado na amamentação. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, onde se realizou uma pesquisa, na literatura nacional, publicada no período entre 2013 a 2018. Resultados: Os enfermeiros têm um papel importante no acolhimento à gestante e puérperas, pois é neste ambiente de cooperação que percebemos a importância do enfermeiro para dirigir suas ações de competência, aprimorando e mobilizando os conhecimentos, demonstrando que o leite materno é parte do ciclo da vida de todas as mulheres. Conclusão: Os principais fatores de risco para o trauma mamilar são: pega inadequada, estrias, fissura, dor mamilar, ausência do companheiro, ser primípara, mamas túrgidas e ingurgitadas, mamilos semi protusos e/ou malformados, despigmentados, ausência de alimentação complementar da mãe, parto cesáreo e falta de orientações no pré natal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Oliveira Bernardino Cavalcanti de Albuquerque

Universidade de Pernambuco

Carlos Antonio de Lima Filho

Universidade Federal de Pernambuco

Matheus Vinicius Barbosa da Silva

Universidade Federal de Pernambuco

Daniela de Lira Silva

Universidade Federal de Pernambuco

Wanuska Munique Portugal

Universidade Federal de Pernambuco

Valmir Bezerra da Silva

Centro Universitário Tiradentes

Laissa Pereira da Silva

Centro Universitário Brasileiro

Gizoneide Maria Toledo de Moura

Centro Universitário Brasileiro

Giselle Cavalcante Gomes

Centro Universitário Brasileiro

Josete Candido da Silva

Centro Universitário Brasileiro

Referências

ALMEIDA, N. A. M., et al. Aleitamento materno: uma abordagem sobre o papel do enfermeiro no pós-parto. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiás, v. 06, n. 03, p. 358-367, 2013.

ALMEIDA, J.S., VALE, I. N. Enfermagem neonatal e aleitamento materno. 2013.

ALMEIDA, I. S. Amamentação para mães primíparas: Perspectivas e intencionalidades do enfermeiro ao orientar. Cogitare Enferm 2013. Jan/Mar; 15 (1): 19-25.

AMARO F. G. Incidência de trauma mamilar no puerpério imediato. Saúde em Redes. 2016;2 (2): 179-188. doi: http://dx.doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n2p179-188.

AMORIM, M. M., ANDRADE, E. R. Atuação do enfermeiro no PSF sobre aleitamento materno. Revista Científica Perspectivas online. Campos dos Goytacazes, v.3, n.9, p.93-110, 2009.

ANDRADE, C. R. F., GULLO, A. C. P. As alterações do sistema motor oral dos bebês como causa das fissuras/rachaduras mamilares. Revista Pediatria São Paulo 1993;15(1):28-33.

ARAÚJO, C. M. T., et al. Aleitamento materno e uso de chupeta: repercussões na alimentação e no desenvolvimento do sistema sensório motor oral. Rev. Paul Pediatria, 2017;25 (1): 59-65.

AZEREDO, C., MAIA, T. Percepção de mães e profissionais de saúde sobre o aleitamento materno: encontros e desencontros. Rev. Paul Pediatr 2017; (26): 336-44. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822008000400005

BAPTISTA, G. H., et al Fatores associados à duração do aleitamento materno em crianças de famílias de baixa renda da região sul da cidade de Curitiba, Paraná, Brasil. CAD. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(3): 596-604, mar, 2013. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000300014

BARBOSA J. M., et al. Avaliação dos fatores de risco ao trauma mamilar. Rev Fac Cienc Med Sorocaba. 2018; 20(4):212-7.

BUENO, L. G. S., TERUYA, K. M. Aconselhamento em amamentação e sua prática. J Pediatr. Rio de Janeiro, 2014. Doi: https://doi.org/10.1590/S0021-75572004000700003

CIRICO M. O. V., et al. Qualidade assistencial em aleitamento materno: implantação do indicador de trauma mamilar. Rev Gaúcha Enferm. 2016 dez;37(4):e60546. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2016.04.60546.

COCA, K. P., et al. Fatores associados ao trauma mamilar na maternidade. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2009, vol.85, n.4, pp.341-345. ISSN 0021 7557. Doi: http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1916.

CRUZ, M. C. C. A., et al. Práticas alimentares no primeiro ano de vida de filhos de adolescentes. Rev. Nutr., Campinas, 23(2):201-210, mar./abr., 2013. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672011000500017

DAMIÃO, J. J. Influência da escolaridade e do trabalho maternos no aleitamento materno exclusivo. Rev. Bras Epidemiol 2017; 11(3): 442-52. Doi: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000300011

DODD V., Chalmers C. Comparando o uso de curativos de hidrogel para pomada de lanolina com mães lactantes. Jornal de Obstetrícia, Ginecologia e Enfermagem Neonatal 2013;32 (4): 486-94.

FASSARELLA B. P. A., et al. Percepção da equipe de enfermagem frente ao aleitamento materno: do conhecimento à implementação. Rev Nursing (São Paulo); 21(247): 2489-2493, dez.2018.

GIUGLIANI E. R. J. O aleitamento materno na prática clínica. Jornal de Pediatria 2015; 76 Supl 3:S238-252.

GRAÇA, L. C. C., et al. Contributos da intervenção de enfermagem de cuidados de saúde primários para a promoção do aleitamento materno. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 19 (2) mar - abr 2015. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000200027

JOCA M. T., el al. Fatores que contribuem para o desmame precoce. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2015;9(3):356-64. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452005000300004

LEITE A. M., et al. Comunicação não verbal: uma contribuição para o aconselhamento em amamentação: uma contribuição para o aconselhamento em amamentação. Revista Latino-americana de Enfermagem 2014;12(2):258-64. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692004000200016

LÉON-CAVA N., et al. Quantificação dos benefícios da amamentação:revisão da evidência. Washington: OPS, 2014.

LINHARES E., Montenegro C. A. B. Distúrbios e patologia da lactação: mastites. In: Rezende J de, organizador. Obstetrícia.8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.p. 1130-48.

MARINHO, Carla. Os profissionais de saúde e o aleitamento materno: um estudo exploratório sobre as atitudes de médicos e enfermeiros. "Psicologia: saúde & doenças". - Lisboa. - ISSN 1654-0086. - vol. 5, nº. 1 (2014). - p. 93-105.

MURAHOVISCHI J,, et al. Amamentação: da teoria à prática. In: O profissional de saúde e a amamentação. Santos: Fundação Lusíada, 2016.p. 7-39.

REA, Marina F. A amamentação e a mulher. Jornal de Pediatria – vol. 80 nº 5, 2014.

ROONEY A. L., OSTENBERG, P. R. V. Licenciamento, acreditação e certificação: abordagens à qualidade de serviços de saúde. Série de aperfeiçoamento sobre a metodologia de garantia de qualidade: Centro de serviços humanos, abril 2015.

SHIMODA G. T. et al. Associação entre persistência de lesão de mamilos e condições de aleitamento materno. Rev Min Enferm. 2014 jan/mar; 18(1): 68-74. Doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140006

SILVA, I. A. Amamentar: uma questão de assumir riscos ou garantir benefícios. São Paulo: Robel Editorial, 2017.

SILVA, I. A. Enfermagem e aleitamento materno: combinando práticas seculares. Revista Escola de Enfermagem. 2016. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342000000400007

TEMPORÃO, J.G., PENELLO, L. M. Determinação social da saúde e ambiente emocional facilitador: conceitos e proposições estratégicas para uma política pública voltada para a primeira infância. Saúde em Debate. Rio de Janeiro, V. 34, n. 85, p. 187-200, abr./jun. 2013.

TRONCHIN D. M. R. T., et al. A qualidade e a avaliação dos serviços de saúde e de enfermagem. Kurcgant P, organizador. Gerenciamento de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.p. 75-88.

URASAKI, M. B. M. U., et al. Trauma Mamilar: Cuidados Adotados por mulheres no Pós- parto. Rev Ass Bras Estomaterapia. 2017. Mar; Estima, v.15 n.1, p. 26-34. Doi: https://doi.org/10.5327/Z1806-3144201700010005

VILLA, T.C.S., et al. A enfermagem nos serviços de saúde pública do Estado de São Paulo. O trabalho de enfermagem, São Paulo.Cortez.2013. p. 27- 60.

VINHA V. H. P., et al . Tipos de mamilos em puérperas. Femina 2016; 14(8):692-5.

ZIEMER M. M., et al. Métodos para prevenir e controlar a dor nos mamilos em mulheres que amamentam. Revista Ocidental de Pesquisa em Enfermagem, 2014; 12(6):732-44.

Downloads

Publicado

23/02/2022

Como Citar

Albuquerque, A. O. B. C. de, Lima Filho, C. A. de, Silva, M. V. B. da, Silva, D. de L., Portugal, W. M., Silva, V. B. da, Silva, L. P. da, Moura, G. M. T. de, Gomes, G. C., & Silva, J. C. da. (2022). ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS FATORES DE RISCO PARA O TRAUMA MAMILAR CAUSADO NA AMAMENTAÇÃO. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 3(2), e321202. https://doi.org/10.47820/recima21.v3i2.1202

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)