O USO DO MULTIPLANO COMO MATERIAL MANIPULÁVEL NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v3i4.1405

Palavras-chave:

Multiplano, Inclusão, Deficiência Visual, Educação Especial

Resumo

O presente artigo abordou uma proposta pedagógica com o uso do multiplano com o intuito de facilitar o ensino e aprendizagem da matemática para certos grupos de alunos que tem dificuldade em sua aprendizagem, especificamente aos deficientes visuais. Tendo em vista que não se deve, ou não se deveria excluir alunos deficientes, mas incentivar a sua inclusão, o multiplano é um material concreto, no qual alunos cegos e de baixa visão podem desenvolver o aprendizado de forma construtiva, tendo como foco o aprendizado da matemática, pois o principal objetivo não é simplesmente decorar fórmulas, mas sim de desenvolver e compreender um conhecimento amplo da matemática, tanto na sala de aula quanto em outras áreas de conhecimento. É de se destacar, que tal ferramenta, serve como instrumento a uma proposta inclusiva, uma vez que facilita o aprendizado do aluno com dificuldades ocasionadas pela deficiência aqui citada, ampliando assim a possibilidade de domínio de conteúdo. É sabido que este material proporciona o aprendizado de uma infinidade de atividades matemáticas nos mais diversos ramos: álgebra, geometria, estatística, física etc. Assim, o objetivo do trabalho foi fazer um levantamento bibliográfico de trabalhos que demonstram que o uso do multiplano no ensino da matemática para alunos deficientes visuais e como esse material concreto pode ajudar na assimilação dos conteúdos mais abstratos do ramo da matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Ramon do Nascimento Brito

Mestre em Ciência dos Materiais pela Universidade Federal do Maranhão. Docente dos curso de Engenharia Civil e Engenharia de Produção na Universidade CEUMA, Imperatriz, Maranhão Brasil. Docente do curso de Matemática UEMASUL no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E TECNOLÓGICAS - CCENT, Imperatriz, Maranhão Brasil. 

Referências

ASSUNÇÃO, E. Problemas de Aprendizagem. 13. ed. São Paulo: Ática, 2010.

BRASIL. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional: Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 13. ed. Brasília: [s.n.], 2016.

CAMARGO, Eder Pires De. Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Ciência & Educação (Bauru), v. 23, n. 1, p. 1–6, 2017.

FERMINIO, Denis Correa. Educação Inclusiva: A inserção escolar como processo de inclusão e exclusão. 2017. 1–90 f. Universidade do Extremo Sul Cararinense - UNESC, 2017.

FERNANDES, Nidia ; e FERNANDES, Wagner Luiz. Software de inclusão do deficiente visual ao ambiente computacional. São Paulo: [s.n.], 2010.

FERRANATO, Caroline Ananias. Medição do impacto da matemática e o “case” do multiplano. 2015. 52 f. Universidade Federal do Paraná, 2015.

FERRATO, Rubens. A Construção de Instrumento de inclusão no Ensino da Matemática Dissertação de Mestrado. 2002.

FIORINI, Maria Luiza Salzani e DELIBERATO, Débora e MANZINI, Eduardo José. Estratégias de ensino para alunos deficientes visuais: A Proposta Curricular do Estado de São Paulo. Motriz. Revista de Educacao Fisica, v. 19, n. 1, p. 62–73, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, Marta. Deficiência Visual. Brasília: [s.n.], 2000. Disponível em: . Acesso em: 11 dez 2021

JUNIOR, Henrique Arnoldo. Estudo do Desenvolvimento do Pensamento Geométrico por alunos surdos por meio do multiplano no ensino fundamental. 2010. 292 f. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2010.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: O que é? Como fazer? Moderna ed. São Paulo: [s.n.], 2003.

NORDESTE, Diário Do. Multiplano: Invento facilita o estudo da matemática pelos cegos. 2002 Disponível em: <http://www.sac.org.br/instituto/DN00033.htm>. Acesso em: 15 dez 2021.

PRADO, Luciana da Silva. Sala de recursos para deficientes visuais: um itinerário, diversos olhares. 2006. 198 f. Universidade de São Paulo, 2006.

RODRIGUES, Priscila Acacio e MAGALH, Bezerra e PINHEIRO, Ivoneide. A UTILIZAÇÃO DO MULTIPLANO PARA A APRENDIZAGEM DE. n. 1, 2010.

ROGALSKI, S. M. Histórico do Surgimento da Educação Especial. Revista de Educação do IDEAU, v. 5, n. 12, p. 1–13, 2010.

SÁ, Elizabet Dias De e CAMPOS, Izilda Maria De e SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Atendimento educacional especializado: Deficiência Visual. Brasília: Gráfica e Editora Cronos, 2007.

SILVA, Rawlison dos Santos. A utilização do multiplano no ensino da matemática na educação básica: uma proposta para a educação inclusiva. 2016. 64 f. Universidade Federal do Tocantins, 2016.

SOUSA., Joana Darc Oliveira de Souza e. Leitura de Formas com o Tato: Possibilidade de Aprendizagem Significativa para Alunos Cegos. VIII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, p. 1354–1363, 2013.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Trad. de Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, 1999.

VIVIAN, Clarice Fonseca. O multiplano como instrumento de aprendizagem: um estudo de caso sobre a pessoa com paralisia cerebral. 2018. 29 f. Universidade Federal do Pampa, 2018.

Downloads

Publicado

27/04/2022

Como Citar

Brito, D. R. do N. (2022). O USO DO MULTIPLANO COMO MATERIAL MANIPULÁVEL NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS . RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 3(4), e341405. https://doi.org/10.47820/recima21.v3i4.1405

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)