PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAXIAS-MA NO PERÍODO DE 2013-2017: UM ESTUDO DE BASE SECUNDÁRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47820/recima21.v2i10.816

Palavras-chave:

Mortalidade infantil; Fatores Associados; Mortalidade neonatal; Sistemas de informação.

Resumo

Introdução: A taxa de mortalidade infantil (TMI) é um indicador de saúde capaz de revelar as condições socioeconômicas de território em específico e a qualidade da assistência à saúde prestada à população materno-infantil. Objetivo geral: Descrever o perfil epidemiológico da mortalidade infantil no município de Caxias- MA no período de 2013 a 2017. Métodos: Trata- se de um estudo descritivo, retrospectivo, de abordagem quantitativa, de uma série temporal (2013 a 2017), baseado em dados secundários coletados a partir do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC), do DATASUS. Resultados e discussões: Os resultados demonstraram que a TMI é maior no componente taxa de mortalidade neonato precoce em relação aos componentes taxa de mortalidade neonato tardia e taxa de mortalidade pós-neonato durante o período estudado.  Naquelas variáveis que compreendem características desfavoráveis a sobrevida infantil também houve redução dos números de óbitos infantis. Considerações finais: A saúde infantil do referido município de estudo carece de mais atenção e comprometimento de gestores, profissionais e dos serviços de saúde para melhorias nas políticas de saúde com vistas a promover uma redução significativa da mortalidade infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Pereira Ibiapina Coêlho

Enfermeira pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Pós- graduanda em Gestão em Saúde, Especialista em Saúde Mental, Saúde da Mulher, Neonatologia e Pediatria. Enfermeira Obstetra pelo Programa de Residência da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Centro Endoscópico do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC - Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago

Allan Bruno Alves de Sousa Santos

Acadêmico do curso Bacharelado em enfermagem pela Faculdade de Educação São Francisco- FAESF.

Quelrinele Vieira Guimarães

Enfermeira pela Universidade Estadual do Maranhão. Especialista em saúde pública e saúde da família- Instituto Athena, Especialista em enfermagem obstétrica - Universidade Estadual do Maranhão, programa de residência em enfermagem obstétrica e Pós-graduanda em enfermagem obstétrica - faculdade Unyleia

Eduardo Henrique de Sousa

Enfermeiro formado pela UNINOVAFAPI, possui Residência em Saúde da Família pela Universidade Estadual do Maranhão

Adriana do Nascimento Carvalho

Universidade Estadual do Maranhão- UEMA - Nutricionista formada pela Faculdade Maurício de Nassau - Recife-PE, pós-graduanda em saúde da família pela UEMA. Atuação profissional como nutricionista para coletividade sadia - empresa Masan atual Agile 2015 a 2018. Instrutora de boas práticas de manipulação do Senac -MA vínculo contrato determinado.

Eduardo Brito da Silva

Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- Pós Graduando em Urgência pela FAVENI. Socorrista pela BRVida e Docente no CIENTEC

Olívia Cássia Kretzer

Universidade Federal de Santa Catarina - Enfermeira graduada pelo Centro Universitário Estácio de SC. Enfermeira residente pelo Programa Residência Integrada Multiprofissional em Atenção à Saúde da Mulher e da Criança HU/UFSC.

Sostenise Maciel De Azevedo

Enfermeira formada pela Universidade Estadual do Maranhão com pós graduação em Administração dos Serviços de Saúde (UNAERP), Saúde da Família - Clínica na APS (Estácio de Sá), Vigilância em Saúde (Estácio de Sá), Saúde Mental (UFMA), Auditoria, Planejamento e Gestão em Saúde (LABORO) e residência em Enfermagem Obstétrica (UEMA). Integrante da equipe de Enfermagem Obstétrico do Espaço Nascer Saúde em Caxias-MA e preceptora de estágio Supervisionado Maternidade II e III da pós-graduação em Enfermagem Obstétrica da FACEMA.

Larissa Lima Marques Coimbra

Bacharela e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (2015). Residência em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Estadual do Maranhão (2019). Pós Graduanda em Enfermagem em UTI Neonatal e Pediátrica- LABORO( 2020). Integrante do grupo de pesquisa Grupo Saúde Humana em Atenção Primária , Secundária e Terciária- GSHAPS CAXIAS -MA- UEMA. Atualmente é Enfermeira Assistencial na Maternidade Natus Lumine, Enfermeira Obstetra na Maternidade Benedito Leite e Professora da Pós Graduação de Enfermagem Obstétrica da Faculdade LABORO.

Vanessa Silva Pio Rufino

Graduada em Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí - UFPI. Especialista em Enfermagem do Trabalho e em Saúde Pública pelo Instituto de Educação Superior Múltiplo- IESM. Enfermeira Obstetra (Residência em enfermagem obstétrica pela Universidade Estadual do Maranhão- UEMA).

Ane Grazielle da Silva Rocha

Enfermeira graduada pelo Centro Universitário UniFacema-MA. Atuante em Centro Obstetrico na Maternidade Carmosina Coutinho- Caxias-MA. Professora de Estagio Supervisionado Na Instituição UniFacema. Professora no curso de Enfermagem na Instituição Unopar Teresina-PI

Yette Bruna Castro dos Santos

Possui graduação em Enfermagem pela Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (2016). Pós-graduada em Obstetrícia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (2017). Tem experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade de vida, saúde da mulher, docência do ensino superior e pesquisa acadêmica. Atualmente encontra-se como Enfermeira Plantonista do Hospital Macrorregional de Coroatá e Coordenadora do Curso de Enfermagem da Faculdade Faeme.

Maria Gabriela de Sousa Bacelar

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Maranhão/UEMA. Pós-graduanda em Biologia celular e molecular e análises clínicas e microbiologia na FAVENI

Jesineide Sousa da Silva

Enfermeira graduada no Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão, Brasil

Washington Walber Macedo dos Santos

Enfermeiro graduado no Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão

Referências

ARRUÉ, A. M. et al. Caracterização da morbimortalidade de recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria, v.3, n.1, p. 86-92, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/5947. Acesso em: 29 jun. 2019.

BRASIL. Portaria n. 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html. Acesso em: 10 jun. 2019.

_____. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso em: 10 jun. 2019.

_____. Saúde Brasil 2009: uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2009.pdf. Acesso em: 11 jun. 2019.

_____. Ministério da Saúde. Indicadores básicos para saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília, 2008. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/indicadores.pdf. Acesso em: 14 jun. 2019.

CACAU, M. P. et al. Mortalidade em crianças menores de 10 anos no Maranhão. Revista de Pesquisa em Saúde, v. 16, n. 3, p.166-9, set-dez., 2015. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/4515/2470. Acesso em: 20 jun. 2019.

CARVALHO, R. A. S. et al. Desigualdades em saúde: condições de vida e mortalidade infantil em região do nordeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 49, n. 5, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049004794.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

DEMITI, J. M. G.; GASQUEZ, A. S. Rede mãe Paranaense: análise comparativa da mortalidade materno infantil entre estado e município. Revista uningá, v. 30, n.1, p.6-10, abr –jun., 2017. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/2006/1600. Acesso em: 21 jun. 2019.

DEMITTO, M. O. et al. Gestação de alto risco e fatores associados ao óbito neonatal. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 51, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v51/pt_1980-220X-reeusp-51-e03208.pdf. Acesso em: 01 jul. 2019.

FRANÇA, E.; LANSKY, S. Mortalidade infantil neonatal no Brasil: situação, tendências e perspectivas. Anais, p. 1-29, 2016.

FRIAS, P. G. et al. Outros sistemas de informação em saúde e indicadores de saúde. Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e atuação em comitês de mortalidade. EAD/Ensp, cap.6, p. 171-200, Rio de Janeiro, 2013.

GEIB, L.T.C. et al. Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.5, n.2, pag. 70-363, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000200011>. Acesso em: 29 jun. 2019.

HUG, L. et al. Levels & trends in child mortality: report 2017. Estimates developed by the UN Inter-agency Group for Child Mortality Estimation, 2017. Disponível em: http://www.everywomaneverychild.org/wp-content/uploads/2017/10/Child_Mortality_Report_2017_UNICEF-WHO.pdf Acesso em: 22 jun. 2019.

LANSKY, S. et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de saúde pública, v. 30, p. 192-207, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300024. Acesso em: 29 jun. 2019.

LIMA, E. F. A. et al. Fatores de risco para mortalidade neonatal no município de Serra, Espírito Santo. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 65, n. 4, p. 85-578, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000400005. Acesso em: 29 jun. 2019.

LIMA, L. C. Idade materna e mortalidade infantil: efeitos nulos, biológicos ou socioeconômicos? Revista Brasileira de Estudos de População, v.27, n.1, p. 211-26, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-30982010000100012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 jun. 2019.

NUNES, J. T. et al. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cadernos Saúde Coletiva, v. 24, n. 2, p. 252-61, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n2/1414-462X-cadsc-24-2-252.pdf. Acesso em: 27 jun. 2019.

PEREIRA, A. P. E. et al. Determinação da idade gestacional com base em informações do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de saúde pública, v.30, p. 59-70, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300014. Acesso em: 29 jun. 2019.

SANDERS, L. S. C. et al. Mortalidade infantil: análise de fatores associados em uma capital do Nordeste brasileiro. Cadernos saúde coletiva, v. 25, n. 1, p. 83-9, Rio de Janeiro , 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v25n1/1414-462X-cadsc-1414-462X201700010284.pdf. Acesso em: 17 jun. 2019.

Downloads

Publicado

06/11/2021

Como Citar

Coêlho, L. P. I. ., Alves de Sousa Santos, A. B., Guimarães, Q. V. ., Sousa, E. H. de ., Carvalho, A. do N. ., Silva, E. B. da ., Kretzer , O. C. ., Azevedo , S. M. D. ., Coimbra , L. L. M. ., Rufino, V. S. P. ., Rocha, A. G. da S. ., Santos, Y. B. C. dos ., Bacelar, M. G. de S. ., Silva, J. S. da ., & Santos, W. W. M. dos . (2021). PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAXIAS-MA NO PERÍODO DE 2013-2017: UM ESTUDO DE BASE SECUNDÁRIA. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar - ISSN 2675-6218, 2(10), e210816. https://doi.org/10.47820/recima21.v2i10.816

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)